A Divisão do Trabalho em Adam Smith

Adam Smith, nos três primeiros capítulos de sua obra “A riqueza das nações”, apresenta uma série de argumentos que corroboram para a idéia de que o aprimoramento da produção é resultado direto da divisão do trabalho.

Segundo Smith, o grau de evolução de cada país pode, normalmente, ser medido pela diferenciação e divisão do trabalho. A produção individual – que se desenvolve do começo ao fim de um determinado produto – é entendida como uma forma primitiva de trabalho, o exemplo principal é o artesão. Por outro lado, em oposição, as manufaturas em que cada trabalhador responde apenas por uma tarefa específica na produção, são vistas como em estágio desenvolvido.

Smith afirma que “a divisão do trabalho, reduzindo a atividade de cada pessoa a alguma operação simples e fazendo dela o único emprego de sua vida, necessariamente aumenta muito a destreza do operário.”   Além disso, os trabalhadores não perderiam tempo passando de uma atividade a outra – sua cabeça estaria voltada unicamente para aquela simples atividade a ele atribuída. Movimento que, inclusive, aumenta as chances de o operário realizar mais rapidamente a tarefa, além de pensar em possíveis soluções como a invenção e o aprimoramento de máquinas, que facilitariam seu trabalho.

Na visão de Adam Smith, a divisão do trabalho – em todas as áreas da produção, leva a riqueza universal às camadas mais baixas da população. O princípio da mais valia seria também aplicado à produção do trabalhador, o que invariavelmente levaria a uma dinâmica da economia:

“Cada trabalhador tem para vender uma grande quantidade de seu próprio trabalho, além daquela que ele mesmo necessita; e pelo fato de todos os outros trabalhadores estarem exatamente na mesma situação, pode ele trocar grande parte de seus próprios bens por uma grande quantidade, ou – o que é a mesma coisa – pelo preço de grande quantidade de bens desses outros. Fornece-lhes em abundância aquilo de que carecem, e estes, por sua vez, com a mesma abundância, lhe fornecem aquilo de que ele necessita; assim é que em todas as camadas da sociedade se difunde uma abundância geral de bens”.

A questão é colocada em nível universal quando Smith afirma que “sem a ajuda e cooperação de muitos milhares não seria possível prover às necessidades, nem mesmo de uma pessoa de classe mais baixa de um país civilizado”  . O contraponto é que a divisão do trabalho pode não ser importante para muitos reis da África, que são “senhores absolutos das vidas e das liberdades de 10 mil selvagens nus”  , pois certamente as necessidades desses reis não seriam maiores do que a de um camponês europeu. Entretanto não há dúvidas de que assim que sentidos os benefícios da divisão do trabalho, não pode haver caminho de volta, pois, para Smith, este não é o sentido do desenvolvimento.

A origem da divisão do trabalho estaria na tendência do homem – apresentada de certa forma como natural – de permutar, intercambiar e trocar uma coisa pela outra. Além disso, a diferença de talentos – expressa na produção – seria efetivamente útil ao homem – pois qualquer um pode comprar qualquer parcela da produção de outro talento, de acordo com suas necessidades.

Outra questão importante é a extensão da divisão do trabalho, que nunca irá ultrapassar o poder de troca – pois, efetivamente, a produção não deve ser maior do que a demanda – ou não haverá estímulo a produzir, já que será impossível permutar toda a produção. Justamente por isso a extensão do mercado deve ser proporcional à riqueza e a reduzida densidade demográfica da região. Logo, o sentido é que o mercado do mundo todo seja aberto à produção.

Anúncios

12 comentários em “A Divisão do Trabalho em Adam Smith”

  1. Podemos dizer que Adam era um tanto quanto realista, ou seja não pensava muito no ser humano, acreditando nesta sintese de que ele pensava com praticidade em um universo no qual TEMPO É DINHEIRO”!

  2. Pena que Adam Smith não previu que, com esse sistema, os ricos iam ficar cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres, e o dinheiro ia, cada vez mais, sair de circulação deixando o Estado, também, cada vez mais pobre…

    1. Adam Smith nunca “previu” por que ele já já sabia disso, ele sempre soube que o capitalismo é um sistema financeiro dinâmico e que funciona, porém, ele nunca disse que ele era justo em distribuir igualitariamente a riqueza para todos, pois o capitalista não inicia seu empreendimento visando agradar a todos distribuindo sua renda, mas a ele mesmo.

    2. o socialismo ao contrário deixa todos pobres e a pouca concorrência leva a defasagem tecnológica de fato karl marx era um péssimo pensador e economista,Mas seu legado continua para pessoas que acreditam em contos de fábulas.

  3. Com o trabalho todos temos a oportunidade de ficar ricos, quem critica o capitalismo é porque não quer trabalhar e quer viver di dinheiro de quem trabalhou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s