Para Onde Caminha a Democracia Americana?

USA_printempf750-44fb2

Os últimos acontecimentos nos Estados Unidos relacionados ao monitoramento de dados das pessoas promovido pelo governo despertaram grande preocupação por parte da opinião pública em relação à ameaça à liberdade e à democracia, tão defendidas por essa nação. Um fator que revelou essa preocupação foi o aumento estratosférico de mais de 7000% das vendas do livro 1984 de George Orwell, publicado em 1949.[1] O motivo é porque o livro denuncia de forma detalhada as futuras estratégias dos Estados totalitários na tentativa de restringir a privacidade dos indivíduos, que são bem semelhantes às praticadas pelos Estados Unidos, hoje. O presidente Barack Obama tem sofrido duras críticas por invadir a privacidade dos indivíduos na tentativa de obter dados confidenciais comprometedores. Essa prática de espionagem tem sido encarada como violação declarada dos direitos civis. Essa atitude ameaça de morte o que há de mais importante nessa nação: a democracia.

Sendo os Estados Unidos da América conhecidos historicamente como o país símbolo da liberdade individual e da democracia, por que então essa nação estaria lançando mão de comportamentos típicos dos regimes totalitários? Ao fazer uma reflexão sobre as notícias de violação de privacidade por parte do governo norte-americano, acredito que pelo menos três fatores estão motivando a desconstrução dos sólidos muros democráticos desse país.

A crise

O primeiro fator tem que ver com a crise. A crise de qualquer espécie desmantela qualquer sistema social, político, religioso e econômico sólidos. Marvin Moore, jornalista e escritor, reproduzindo o pensamento do livro The Addictive Organization, salienta que “as crises são usadas para desculpar ações drásticas e equivocadas por parte dos administradores”.[2] Além disso, ressalta também que “quando a norma é a crise, a administração tende a assumir uma quantidade perigosa de poder a cada dia”.
Moore acrescenta ainda, ao citar Michael Barkun, autor da obra Disasters and the Millennium, que “o desastre cria condições especialmente adaptadas à rápida alteração de sistemas de valores”.[3] Sendo assim, como consequência de um desastre ou crise, são muito grandes as chances de um indivíduo ou grupo de pessoas abandonarem antigos valores há muito acalentados. Moore afirma também que “sistemas de crenças que talvez fossem rejeitados em condições livres de desastre, agora recebem consideração favorável”.[4].

Com os ataques de 11 de setembro de 2001, a América se viu mergulhada em uma crise estratosférica de segurança nacional. Diante disso, os líderes norte-americanos se viram obrigados a rever seus conceitos democráticos de liberdades individuais havia muito defendidos. Então, a primeira atitude do governo norte-americano foi lançar mão de um movimento de violação dos direitos civis. Os Estados Unidos passaram a grampear secretamente e-mails e telefonemas de indivíduos sem consulta prévia ou autorização judicial. Os últimos passos nessa direção dados pela política norte-americana foram revelados na mídia recentemente, quando o governo realizou uma “coleta indiscriminada de registros telefônicos de milhões de cidadãos pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês)”.[5]

Fica claro com isso que, a fim de promover a segurança da nação, o governo adotou práticas de regimes totalitários utilizadas no passado e ainda hoje. O “país mais livre do mundo” abriu mão da democracia para agir autoritariamente e até violar os direitos civis há muito defendidos por ele, atestando com isso o óbito da sua democracia.

Monopolização da informação

A monopolização da mídia norte-americana é outro fator que tem facilitado ao governo minar a democracia com suas ações totalitárias. A informação jornalística na mão de poucas corporações está conduzindo a América ao enfraquecimento do debate e ao fortalecimento da alienação popular. Ruben Dargã Holdorf, em seu artigo “O fim da democracia norte-americana: A imprensa leva a culpa”,[6] alerta que “quando as comunicações se aglutinam sob o comando e a orientação de poucos ou somente uma empresa jornalística, ocorre o risco da manipulação”.

Vanderlei Dorneles, em sua obra O Último Império (CPB), acrescenta que “com a Comissão Federal de Comunicação, a legislação rígida sobre imprensa vem sendo alterada”.[7] E hoje, segundo Dorneles, “nada menos que 90% de tudo que os americanos veem, ouvem e leem são produzidos por apenas seis empresas, que no passado foram mil (AOL, Time Warner, Viacom, Disney, General Eletric, News Corporatione Vivendi Universal)”.[8]

Como esse processo de monopolização da informação, que não permite à população ter acesso a diferentes pontos de vista e, com isso, criticar as decisões autoritárias do governo, faz-se com que o risco de morte da democracia desse país seja cada vez maior, a cada dia que passa.

Os ataques preventivos ao inimigo

No passado, sobretudo em 2001, o governo norte-americano iniciou a prática de atacar preventivamente o inimigo. Essas ações têm-se revelado nitidamente como totalitárias. Dorneles revela o pensamento-base desses ataques ao afirmar que, “quando os interesses e a segurança dos Estados Unidos estiverem em questão, eles não hesitarão em ‘agir sozinhos’, referindo-se a uma completa independência em relação aos aliados e às Nações Unidas”.[9]

Hoje, o investimento do Estado Americano está sendo canalizado para uma nova modalidade de ataques preventivos, como os “ciberataques”. Por meio dessa iniciativa, apresentado pelo senador John Edwards, o governo deve fornecer US$ 350 milhões durante os próximos cinco anos para o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias,[10] a fim de produzir tecnologias de informação mais eficazes no combate ao terror.

Esses ciberataques permitem ao governo invadir ou atacar os computadores de instituições, organizações, empresas e indivíduos suspeitos de terror, isso sem autorização judicial. Assim, mais uma vez, a América se revela uma nação verdadeiramente autoritária, que aos poucos vem minando sua própria democracia.

Conclusão

As ações denunciadas acima, tais como crise, monopolização da informação e os ciberataques têm assustado e acendido um sinal de alerta por parte da população mundial. Contudo, essas ações em direção ao enfraquecimento da democracia norte-americana foram denunciadas pela escritora Ellen White, há mais de cem anos. Em sua obra mais famosa, publicado no fim do século 19, ela alerta de forma contundente sobre as atuais ameaças à liberdade individual, quando diz que “a corrupção política está destruindo o amor à justiça e a consideração para com a verdade; e mesmo na livre América do Norte […] a liberdade, obtida a tão elevado preço de sacrifício, não mais será respeitada”.[11]

Se essas práticas forem copiadas por outras nações, tendo como justificativa a segurança, poderemos presenciar um ressurgimento do totalitarismo no Ocidente sem precedentes na História.

(Wanderson Vieira da Silva, A Voz do Profeta)

EUA vasculham dados de fontes como Google e Facebook

A Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos e o FBI têm acesso direto aos servidores centrais de nove das maiores empresas de internet americanas. A inteligência americana pode consultar áudios, vídeos, fotografias, conteúdos de e-mails, arquivos transferidos e conexões dos usuários. O programa altamente secreto é chamado de Prisma e está em andamento desde 2007, informou o jornal The Washington Post. Ao longo desse período, nove companhias passaram a fazer parte da operação. A Microsoft foi a primeira a entrar, em novembro de 2007. O Yahoo passou a fazer parte em 2008. Google, Facebook e PalTalk, em 2009, YouTube em 2010, Skype e AOL, em 2011, e a última, a Apple, em outubro de 2012. A PalTalk, mesmo bem menor do que as demais, registrou tráfego significativo durante as revoltas nos países árabes e também na guerra civil da Síria. O Dropbox, serviço de armazenamento de dados em nuvem, é descrito como “em breve”.

O esquema reforça as provas de que o governo Barack Obama tem ignorado os direitos civis dos cidadãos americanos de forma disseminada. Além de espionar jornalistas, como ficou provado nos casos da apropriação de registros telefônicos da agência Associated Press, e da investigação contra um repórter da Fox News, que teve seus e-mails devassados, a administração do democrata também direcionou suas garras a um número infinitamente maior de cidadãos, que não eram suspeitos.

O programa Prisma é atualmente a principal fonte de informação da Agência Nacional de Segurança, serviço secreto de inteligência que monitora comunicações eletrônicas. A informação vem à tona um dia depois que o jornal inglês The Guardian revelou que o governo tem acesso a dados de telefonemas de milhões de usuários da Verizon, uma das maiores companhias telefônicas dos Estados Unidos. A ordem era conseguir os números de origem e destino das ligações, locação, horário e duração das chamadas, no período entre 25 de abril e 19 de julho deste ano. No caso do acesso às informações dos servidores de internet, o Washington Post afirma que “a experiência direta com esses programas e o espanto diante de sua capacidade levou um funcionário de inteligência a fornecer as informações”. O objetivo, ressalta a publicação, é expor “uma invasão de privacidade grosseira”. “Eles podem literalmente ver suas ideias se formando no momento em que você as digita”, disse o funcionário ao jornal.

Os casos mostram que a intromissão do governo americano, que começou sob a administração do republicano George W. Bush depois dos ataques da Al Qaeda, em 11 de setembro de 2001. Sucessor de Bush, Obama foi um grande crítico da prática que não só manteve como ampliou. No mesmo ano em que o programa foi estabelecido, Obama – ainda senador – falou sobre liberdades civis durante uma palestra e afirmou que “não haveria mais espionagem de cidadãos que não são suspeitos de cometer crimes”. O democrata repreendeu severamente seu antecessor George W. Bush não apenas em relação ao processo pelo qual a informação era obtida, mas também pela disposição do governo em violar “liberdades civis” dos cidadãos. […]

“Esse programa voltou a ser autorizado recentemente pelo Congresso, depois de um amplo debate”, disse a fonte, na condição de anonimato. “A informação coletada por meio deste programa está entre a mais importante e valiosa informação de inteligência que coletamos, e é usada para proteger nossa nação de uma ampla variedade de ameaças.” […]

Jameel Jaffer, diretor do Centro para Democracia da União Americana de Liberdades Civis considerou “assombroso” a agência de segurança pedir às empresas de tecnologia o acesso aos dados. “Já é chocante o suficiente que a agência peça às companhias para fazer isso”, disse ao Guardian. “A agência é parte da área militar. É como os militares terem acesso sem precedentes às comunicações de civis. É uma militarização da infraestrutura de comunicação doméstica.” [Google, Facebook e Apple negaram, é claro.]

Referências:

1. Disponível em http://oglobo.globo.com/cultura/venda-de-1984-de-george-orwell-cresce-7000-apos-escandalo-de-espionagem-nos-eua-8653420. Acesso em 26 jun. 2013, 14:31:30.
2. MOORE, Marvin. Apocalipse 13: leis dominicais, boicotes econômicos, decretos de morte, perseguição religiosa – isso poderia realmente acontecer?, 1ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2013, p. 248.
3. Ibidem, p. 251.
4. Ibidem.
5. PACIORNIK, Celso. “Ameaça à Democracia”. [S.I]: Estadão.com.br/Internacional. Acesso em 26 jun. 2013, 14:50:40.
6. HOLDORF, Ruben Dargã. “O fim da democracia norte-americana: a imprensa leva a culpa”. Web Site Sala de Prensa: Disponível em Acesso em 26 jun. 2013, 14:41:29.
7. DORNELES, Vanderlei. O último império: a nova ordem mundial e a contrafação do reino de Deus. 1ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2012, p. 160.
8. Ibidem.
9. Ibidem, p. 161.
10. Disponível em http://idgnow.uol.com.br/mercado/2002/01/29/idgnoticia.2006-05-07. Acesso em 26 jun. 2013, 14:45:27.
11. WHITE, Ellen G. O grande conflito. ed. 22. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2009, p. 566.

POST PUBLICADO NO SITE www.criacionismo.com.br EM JUNHO DE 2013.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s